Autoestima e a busca por amor próprio

Saiba como trabalhar a autoestima e o amor próprio

Você alguma vez disse para si mesmo que não era capaz ou até mesmo que não era merecedor de algo? Já olhou com pessimismo para suas capacidades e deixou de arriscar? Quantas vezes já se olhou no espelho e encontrou inúmeros defeitos? Você já chegou a avaliar sua vida pessoal ou profissional e se sentiu descontente com o resultado? Saiba que você não está sozinho. Muitas pessoas, mesmo as quais que você admira, têm esses pensamentos de autocrítica e baixa autoestima em poucos ou muitos aspectos de suas vidas.

autoestima2

Quando nos estimulam a buscar mudanças para a situação insatisfatória, os pensamentos críticos são positivos. O problema se dá quando a autocrítica afeta a autoestima, o amor próprio e dificulta a busca por objetivos. Muitas vezes, pensamentos como esses são reflexos daqueles expressados por nossos pais, professores ou companheiros. Alguns deles com baixa autoestima também, mas todos ensinados essa maneira negativa de pensar e de tratar o próximo. Aprendemos a não aceitar falhas, erros ou fracassos em nós mesmos, e a crença de que não somos merecedores vai se fortalecendo a cada novo desafio que não superamos.

É importante entender que temos duas questões envolvidas na continuidade desse tipo de pensamento para então muda-los. A mente tende a repetir aquilo que está acostumada. É como um mecanismo que nos permite funcionar de maneira eficaz, aliás, não é necessário ficar raciocinando para realizar tarefas diárias, como dirigir, por exemplo. Depois que desenvolvemos a habilidade, fica automático. O mesmo acontece com pensamentos, sejam positivos ou negativos. Cada vez que repetimos a nós mesmos que não temos valor e que não somos suficientes estamos reforçando uma crença negativa e realizando uma auto-hipnose prejudicial.

Como podemos, então, melhorar esses pensamentos repetitivos? Gosto de sugerir duas maneiras para meus clientes, que trazem melhora imediata e são super simples. A primeira é relembrar de uma ou duas coisas que já pensou que não conseguiria e conseguiu sempre que se sentir incapaz. Podem ser realizações simples, mas com lembranças positivas. Reviva esses momentos com todos os detalhes que você conseguir, como cores, odores, sons, diálogos internos ou não. Acima de que tudo, perceba e sinta no corpo a sensação que essa realização trouxe e se permita durante alguns minutos mergulhar nessa sensação boa.

A segunda maneira é um processo PCM de possibilidade, capacidade e merecimento. Pensando naquela questão sobre a qual você ainda acredita que não vai conseguir superar, responda as perguntas:

  • É possível? Procure evidências dessa possibilidade em você ou em outras pessoas.
  • Sou capaz? Pessoas podem usar diferentes capacidades para chegar a resultados parecidos, portanto, pense em seus talentos e habilidades, avaliando quais deles lhe ajudarão a chegar a seu objetivo ou a resolver problemas, em um sentido mais generalista.
  • Eu mereço? No início, essa pergunta pode ser difícil de responder, mas comece imaginando a importância de alcançar sua meta. Pense em como ela irá te afetar positivamente e todas as pessoas ao seu redor, assim como os ambientes em que você vive e trafega. Quais outros resultados podem surgir se você alcançar um melhor desenvolvimento de si mesmo?

O amor próprio é uma maneira saudável de cuidarmos de nós mesmos em termos de saúde física e mental. Também é necessário que haja sempre respeito com aqueles que estão ao nosso redor, entendendo que cada pessoa tem diferentes capacidades e habilidades, mas que todas podem ser (e serão) amplificadas e desenvolvidas em algum momento. E então, vamos tentar praticar o amor próprio? =)

 

Site Footer

Sliding Sidebar

ROSANE SAMPAIO

ROSANE SAMPAIO

Especialista em coaching pessoal, profissional, executivo e de equipes. Palestrante, analista comportamental e hipnoterapeuta, com qualificação de practitioner em Programação Neurolinguística.